Peças criadas por Maria Fernanda Paes de Barros reúnem diversas culturas e marcam reabertura da galeria.

As experiências com diversos saberes dos povos do Brasil deram a Maria Fernanda Paes de Barros uma vivência ímpar no conhecimento da cultura ancestral do nosso país. Nos últimos anos, a artista, designer, pesquisadora e idealizadora da Yankatu desenvolveu coleções que ultrapassam a forma e a função, trazem consigo a história de cada povo e resgatam a maneira de enxergar nossa cultura de modo mais afetivo. Como resultado dessa trajetória, nasce a série Carimbó, composta por peças que unem diversas técnicas e inspirações, e simboliza a reabertura da Galeria Yankatu, como um novo momento para a marca.

“Cores se misturam, novos desenhos se formam. Movimento ritmado, ao mesmo tempo leve e livre, reverbera uma energia boa, de quem vive o momento em sua plenitude. Observo, aprendo, imersa naquela vida real, contagiante.” diz Maria Fernanda. Inspirada no gênero de música e dança de roda que nasceu no Pará e que mistura elementos portugueses e africanos, Maria Fernanda apresenta, na série Carimbó, peças que mesclam técnicas vindas de três diferentes regiões e que já estiveram presentes em sua jornada profissional, em coleções anteriores. Nesta linha, Maria Fernanda homenageia essas atividades por meio de novas leituras fazendo uma fusão do que aprendeu e experimentou durante suas imersões pelo Brasil.

“Há tantos artesãos espalhados pelo país, por que não somá-los? Trocar informações, contar histórias, dividir conhecimento, entender que somos todos iguais, independentemente de cor, gênero ou crença é essencial para um enriquecimento cultural e da própria sociedade.”

As luminárias Carimbó são um bom exemplo dessa mistura. Maria Fernanda desenvolveu dois modelos que envolvem técnicas distintas. Um deles tem a estrutura metálica com banho de cobre e a palha de tucumã, produzida pelos artesãos de Urucureá, no Pará, como protagonista. Sua leveza se dá por conta da distribuição da palha na estrutura de metal e remete à saia que se desenhou quando a artesã Socorro fazia uma das primeiras peças da coleção Alma-Raiz, na comunidade de Urucureá. Para o outro modelo, Maria Fernanda convidou novamente a estilista Suzana Fernandez para tricotar a palha de tucumã com fio de cobre, desta vez para abraçar a estrutura de duas luminárias, deixando perpassar a luz e servindo como ponto de partida para a palha que Maria Fernanda insere na estrutura, mantendo seu movimento natural que lembra a sensação de liberdade das saias das dançarinas de carimbó. As peças possuem também o fio condutor exclusivo da Yankatu, feito com algodão orgânico, cultivado por agricultores familiares de Campina Grande, na Paraíba.

Já a Fruteira Carimbó traz a beleza e delicadeza da cerâmica produzida pela artesã Deuzani Gomes dos Santos e suas filhas Marcilene e Gil, do Vale do Jequitinhonha, em harmonia com a palha de tucumã. Ela é suspensa por cordas feitas da palha e presas em um suporte esculpido em Cabreúva Parda, a mesma madeira que compõe as peças da coleção Alma-Raiz.

“São tantas as histórias e vidas que se ligam através de pequenos pontos, coincidências, acasos, encontros. Resolvo também contribuir, uno saberes ancestrais e reinvento a tradição. O trançado, o tricô, o barro moldado pelas mãos. A palha, o cobre. Vidas distantes se conectam e se conhecem, são agora um só movimento que segue girando, nos lembrando que a cada curva muda-se o destino, mas é preciso manter a mesma emoção”, conta Maria Fernanda, que retoma a galeria em um novo momento para a Yankatu. É um espaço que quer expressar, através de exposições, bate-papos, encontros e festas culturais, todo o objetivo da empresa e sua filosofia de dividir e multiplicar o conhecimento sobre a nossa identidade brasileira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.