Só no primeiro ano de adoção, capacidade de produção da empresa cresceu expressivamente. Em quatro anos, a quantidade de objetos em sua biblioteca BIM chega a mais marcas do grupo, agilizando a entrega de projetos.

A Saint-Gobain, multinacional francesa líder mundial em soluções de elevado desempenho, viu aumentar significativamente o volume de projetos desenvolvidos no Brasil em 2019 graças à adoção da tecnologia BIM (Building Information Modeling ou Modelagem da Informação da Construção) em sua biblioteca de objetos voltada para o público interno e também externo, como arquitetos, construtoras e outros profissionais.

Essa iniciativa inovadora levou a empresa a ser reconhecida no Prêmio de Excelência BIM em duas oportunidades, pelo Sindicato da Construção Civil do Estado de São Paulo (SINDUSCON-SP).

A aposta da companhia na metodologia BIM – que consiste em um conjunto de tecnologias e processos integrados tendo em vista a criação e a atualização de modelos digitais de uma construção de forma colaborativa – começou em 2011, com uma das marcas da gigante francesa, a Placo. Referência em soluções prediais, a Placo tinha como desafio aumentar a produtividade e reduzir erros quantitativos em seus projetos.

Na época, a solução foi criar uma biblioteca com os objetos de construção disponíveis a partir da metodologia de digitalização e padronização BIM,  que possibilitasse selecionar as tipologias de produtos a serem aplicadas nos projetos, de forma mais didática e prática,  e que permitisse experimentar o desempenho e qualidade dos materiais em cada fase do ciclo do empreendimento.  O foco era o público interno. Já no primeiro ano de adoção da tecnologia, a fabricante conseguiu mais do que dobrar a sua capacidade de produção.

Três anos após a implementação, em 2014, o mercado começou a requisitar o uso de BIM e a Saint-Gobain entendeu que para atender a essa demanda, deveria adaptar sua biblioteca às necessidades de seu público externo.  Para isso, lançou mão da metodologia de Design Thinking e realizou uma pesquisa para compreender como cada engenheiro, projetista, arquiteto, construtor e até mesmo consultores ambientais poderiam fazer o melhor uso das informações disponibilizadas e o que era essencial constar no acervo. A partir daí, a biblioteca BIM foi expandida para outras marcas da empresa, como Weber, Quartzolit e Brasilit.

Em 2015, a biblioteca atualizada foi relançada e seus objetos incluídos na Plataforma BIM Object. Em 2018 os movimentos para a disseminação das bibliotecas seguiram acelerados e as soluções foram incluídas na plataforma proprietária BIM Library Saint-Gobain. Por fim, no início deste ano, em uma ação conjunta com a ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial) e alinhado com a Estratégia BIM BR do Governo Federal, os objetos foram publicados na Plataforma BIM BR, do próprio governo. Esta plataforma possui um conteúdo dinâmico sobre a Modelagem da Informação da Construção e hospeda a Biblioteca Nacional BIM (BNBIM), com o intuito de tornar-se um repositório público de objetos BIM no país.

Hoje a biblioteca BIM da Saint-Gobain já conta com novos objetos cadastrados em diferentes plataformas, entre produtos – com especificações como certificados, detalhes, materiais de desempenho e vídeos – e soluções adequadas a todas as regulamentações e normas do mercado nacional.

“Com essas informações, um projeto de grande porte que antes levava de 10 a 15 dias para ser atendido, hoje pode ser entregue em apenas 05 dias”, diz Douglas Meirelles, gerente técnico da Saint-Gobain no Brasil. “Com o uso da ferramenta Autodesk Revit, podemos aumentar nossa capacidade de absorver mais projetos e tornar nossa operação cada vez mais eficiente”, afirma o executivo.

Para o futuro, a Saint-Gobain espera ampliar o uso da biblioteca por conta dos esforços do governo para tornar o BIM uma diretriz nacional não somente em projetos, mas também em obras. Já em relação às novas soluções o próximo passo da empresa é a adoção e implantação da ferramenta Dynamo, que potencializa as funções do Autodesk Revit. “Certamente isso trará mais inteligência na ferramenta e aumentará a qualidade das informações e acuracidade nos materiais”, conclui Meirelles.

“É gratificante acompanhar como nossos clientes, e em especial a Saint-Gobain como líder mundial no mercado de habitat, alcançam benefícios significativos nos seus negócios com a adoção de nossas tecnologias. Especialmente neste caso, a aposta no BIM foi pioneira, o retorno expressivo e ainda há espaço para inovarmos mais”, afirma Fernanda Machado, especialista técnica da Autodesk Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.