Quarta-Feira, 27 de Outubro de 2021

Renovação cromática

Projeto de revitalização de habitações populares traz luz e cores para tornar paisagem urbana alegre e acolhedora. Fotos por James Brittain.

Nos últimos três anos, o escritório de arquitetura de Saia Barbarese Topouzanov revitalizou Les Habitations Saint-Michel Nord, um complexo de habitação social de 185 unidades no bairro Saint-Michel de Montreal. Projetado pelo arquiteto Philip Bobrow no início dos anos 1970, quando o brutalismo estava em voga, o complexo mudou e, agora, oferece luz e cor e tornou-se uma parte alegre da paisagem.

Após um estudo do conjunto habitacional, cujos componentes haviam atingido o fim de sua vida útil, a proposta adotada proporcionou uma remodelação de todo o local, incluindo a criação de uma rua no centro da quadra e o acréscimo de um terceiro andar para os edifícios de apenas dois andares. O projeto também incluiu a reutilização da estrutura de madeira dos edifícios e a exigência de manter o mesmo número de unidades de antes.

Desafio arquitetônico

De acordo com o briefing, a primeira tarefa dos arquitetos foi desenvolver uma estratégia que abrisse o quarteirão, mantivesse o mesmo número de unidades, corrigisse o entorno do edifício, os problemas de segurança e, por último, criasse um ambiente de vida mais voltado para a comunidade .

A adição de uma rua central compartilhada no coração do local foi inspirada no conceito woonerf, um termo originário da Holanda que implica na criação de uma rua viva com técnicas incluem espaço compartilhado, tráfego reduzido e limites de velocidade baixos. Isso exigiu a demolição de seis dos pequenos prédios originais do complexo.

A demolição tornou-se uma oportunidade para incluir o desenvolvimento com um senso de lugar, adicionando pequenas praças públicas, as piazzettas, ao longo da rua compartilhada. Os designers conseguiram manter o mesmo número de unidades de antes, adicionando um terceiro andar a oito dos edifícios de dois andares do complexo.

Outra meta de design do projeto foi a eficiência energética ideal. A rua compartilhada inclui zonas de pedestres e veículos com pavimento permeável enquanto o projeto paisagístico conta com retenção de água da chuva e bacias de bio-retenção.

Por último, o local está equipado com um sistema de gestão de resíduos e reciclagem que utiliza grandes contentores parcialmente enterrados. Numerosas árvores no local foram protegidas.

Segurança e comunidade

A rua compartilhada é muito importante para o projeto porque permite vias de pedestres abertas sem becos sem saída, melhorando a sensação de segurança dos residentes.

Três espaços comunitários foram redesenhados do zero e transferidos para espaços maiores e mais bem iluminados. O complexo Habitations Saint-Michel Nord redesenhado agora tem um centro comunitário mais acessível com todas as organizações tendo fachada para a rua.

Há um restaurante comunitário, uma creche, uma área de recreação (Petite Maison) para crianças de 6 a 12 anos, um centro juvenil (Maison des jeunes) para idades de 12 a 17 e uma sala polivalente.

Aberturas e luz

Os arquitetos fizeram três escolhas estratégicas: usar mais cor, adicionar varandas e escadas em espiral para dar a todos os residentes acesso direto aos seus apartamentos e a criação de aberturas nas laterais dos edifícios, que antes não tinham janelas.

Os apartamentos foram totalmente renovados e equipados com janelas mais altas. Os layouts internos foram modificados, principalmente nos edifícios que receberam um andar adicionado. As unidades desses prédios eram previamente separadas por um corredor. Agora, estão cruzando apartamentos.

Uma segunda melhoria foi equipar os apartamentos com varandas salientes em vez de rebaixadas, criando um espaço adicional que é muito apreciado no tempo quente.

Identidade e materialidade

Os arquitetos se inspiraram na obra de um grande artista venezuelano, Carlos Cruz-Diez (1923-2019). Sua obra, ainda hoje vista em inúmeros locais públicos na Europa e na América do Sul, joga com os efeitos cinéticos produzidos pela proximidade e sobreposição.

Indução cromática feita em 1975 por Carlos Cruz-Diez na Plaza La Pastora, Caracas, Venezuela. Foto: Atelier Cruz-Diez Paris

O uso de duas cores semelhantes para criar uma terceira tornou possível produzir sete cores distintas usando quatro tons de base, do amarelo muito claro ao rico vermelho tijolo. A composição das fachadas foi determinada pelo jogo de cores quentes, resultando numa transformação completa da imagem projetada pelo complexo.

Neste novo ambiente alegre, o uso da cor ajuda a construir o senso de pertencimento e identidade dos residentes. Os arquitetos queriam transformar constrangimentos em bens e oferecer aos residentes um ambiente digno, luminoso e seguro, rompendo com o estigma que rodeia a habitação social e a sua associação com a pobreza.

O projeto ganhou um prêmio de excelência da Ordre des Architectes du Québec na categoria residencial de unidades múltiplas em 2021.

Ficha técnica

Nome do projeto: Habitations Saint-Michel Nord

Local: Montreal, Québec, Canadá

Unidades: 185

Concluído em: setembro de 2020

Cliente: OMHM

Fotos: James Brittain

Em colaboração com

Arquitetos paisagistas: Vlan

Engenheiros estruturais e civis: Cima +

Engenheiros mecânicos e elétricos: Aedifica

Consultores ambientais: Wood

Consultores de segurança: Bouthillette Parizeau

Contratante geral: Cybco Inc.

Compartilhar artigo:

Share on pinterest
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Assessoria de Imprensa | DC33 Comunicação
Bianca Benfatti press@dc33.com.br
Glaucia Ferreira coordenacao@dc33.com.br
Danilo Costa danilo@dc33.com.br
Phone: (11) 3129-4382
www.dc33.com.br
@dc33comunicacao

Parceiros

2021 © Copyright – ArqXP – content | business | travel
Quarta-Feira, 27 de Outubro de 2021
ArQXP – Experiências Inovadoras em Construção | Alameda Lorena, 800 | Cj. 602 CEP 01424-000 Tel.: 55 (11) 2619.0752