Consultoria aborda tema voltado para o universo das arquitetura e ainda concedealgumas dicas e conceitos para não errar na escolha.

Crédito: Revista Casa Vogue

Cada cor tem sua influência sobre uma pessoa. Ao observá-las, nosso cérebro identifica e transforma cada uma em sensações e sentimentos. Sua função na arquitetura não poderia ser diferente, portanto, ao juntar um projeto bem elaborado, uma boa execução e o uso adequado da psicologia das cores, não tem como errar! E quem conta mais a fundo sobre o assunto é a arquiteta Bárbara Juliani, sócia fundadora da Contraste Arquitetura, escritório em São Paulo.

A profissional começa mostrando um panorama do que percebe em sua área: “Muitos tem dificuldades de sair do básico para espaços coloridos e ambientes cheios de emoção, porém esta é uma aventura irresistível, já que há um mundo de tonalidades”. Suas principais dicas são: “A cor pode vir de um móvel, uma obra de arte ou das paredes. Independentemente de onde esteja aplicada, o que precisamos deixar de lado é o medo de experimentar, mas sem esquecer que a harmonia entre elas é fundamental”, comenta Bárbara.

A especialista então apresenta o Círculo cromático: “É uma representação das cores percebidas pelo olho humano, para entendermos como funciona e como aplicar a teoria na arquitetura, precisamos tê-lo como um grande aliado. Só então podemos compreender como transmitir determinadas emoções de acordo com a necessidade de cada local”. Cor por cor, Bárbara explica o efeito que elas causam nas pessoas:

  • Vermelho: Símbolo do amor, da emoção, do prazer. Assim como do desafio, agressão e tensão. Essa cor expressa urgência e alguns tons estimulam o apetite.
  • Violeta: Remete a sabedoria, mistério e espiritualidade. Acalma e transmite bem-estar. Cria um ambiente luxuoso, atrai mais atenção e destaca-se em qualquer lugar.
  • Azul: Dá sensação de paz, harmonia e serenidade. Lembra limpeza, água e produtividade. Se usado em tons escuros transmite segurança, confiança e poder.
  • Laranja: É uma cor estimulante e jovem. Incentiva a expansão, criatividade, entusiasmo e otimismo. Promovendo mudança e dinamismo.
  • Amarelo: Incentiva a criação e a comunicação. Desperta sentimentos bons, como alegria, otimismo, simpatia, confiança e autoestima, mas também pode demonstrar irracionalidade, medo e fragilidade emocional.
  • Verde: É uma cor associada a saúde, natureza e vida. É muito reconfortante para os olhos e lembra equilíbrio, frescor, harmonia e coisas saudáveis. Também pode, contudo também é capaz de desencadear sentimentos como tédio e estagnação.

De acordo com a arquiteta: “As cores precisam ser pensadas desde a concepção do projeto. Por isso, nós nos preocupamos em alinhá-las com a arquitetura e com o design, para que o conjunto faça sentido. As nuances precisam aparecer de forma estruturada e bem distribuída”. Tendo este pensamento, Bárbara fala, brevemente, os principais tipos de harmonização: “A monocromia utiliza somente uma cor e suas diferentes intensidades e tonalidades, o famoso ‘tom sobre tom’. A analogia, trata-se de cores que compartilham uma mesma base e por isso não existe contraste entre elas, podendo ser usadas na arquitetura de interiores para criar a sensação de continuidade nos ambientes. Por fim, as cores complementares ficam opostas no círculo cromático, criam contraste agradável aos olhos”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.