Novo projeto do MetroOffice para a Celine, na Toscana, marca tendência de contemplação e orientação da paisagem para concepção de unidades de produção na Europa.

Organizada em volumes rigorosamente implantados, La Manufacture é a nova unidade de produção da maison francesa Celine na Itália. O complexo foi concluído recentemente na cidade de Radda in Chianti, na província de Siena, região da Toscana. Para suas novas instalações de fabricação dedicada a artefatos de couro, a empresa chamou o MetroOffice Architetti para projetar o edifício de 5200 metros quadrados e acomodar os 250 artesãos locais recém-contratados.

Um edifício caracterizado por padrões de alta qualidade e construção de custos relativamente baixos: é isso que o MetroOffice oferece com o projeto para a La Manufacture. A identidade da maison francesa é interpretada por meio de uma concepção e de extrema atenção às qualidades ambientais do território em que o edifício está imerso. Caixilharia generosa emoldura o campo e aproveita as vantagens da luz natural: La Manufacture promove a ideia do local de trabalho como local de contemplação.

A implantação

A nova instalação foi construída no local de uma antiga planta industrial, fato que limitou a projeção das novas áreas. O edifício se beneficia da sua localização e se adapta à topografia do terreno. O volume principal da La Manufacture segue um alinhamento sudeste com giro de 90 graus. O posicionamento beneficia o máximo da relação visual com os campos cultivados e aproveita a iluminação natural.

Esquema topográfico da região. A unidade da Celine está localizada no topo da colina com vista para o vale de vinhedos e de costas para o vilarejo de Radda in Chiandi.

Imersa na paisagem

Ao abraçar a paisagem e abrir as vistas para as colinas do Chianti, a equipe de arquitetos concebeu um ambiente de trabalho único que beneficia os funcionários. Trata-se de um espaço de produção que se encontra entre belas vinhas e pequenas aldeias rurais. “O objetivo principal desse projeto era fornecer a todos os trabalhadores uma vista para a paisagem para que todos pudessem sentir a passagem das horas durante o dia e as estações do ano. Queríamos criar uma conexão perfeita com a natureza”, conta Barbara Ponticelli, arquiteta responsável.

Sistema construtivo e disposição de usos

Feito de painéis alveolares de concreto, aço, vidro e policarbonato, o volume parece estar suspenso sobre o chão. Na cota inferior se localiza um estacionamento de cerca de 4 mil metros quadrados. No pavimento logo acima, está disposta a zona de produção, com 3 mil metros quadrados. É exatamente neste nível, onde se concentra a maior parte dos colaboradores, que se tira proveito das mais belas vistas da paisagem. A área de estoque e armazenamento de mil metros quadrados tem estrutura blindada por uma pele de policarbonato.

Enquanto a área de trabalho é caracterizada por sua relação visual direta com o interior da Toscana  a parte elevada do edifício ao lado de trás acomoda os escritórios e serviços: seus 1200 metros quadrados, distribuídos em três andares, estão diretamente conectados à área de produção. 

A transparência  obtida por meio da combinação de paredes diafragma e de tijolos de vidro cinza suspensos, voltados para o sul, lembra o valor simbólico de grandes obras de arquitetura da era contemporânea. A grade retícula de tijolo de vidro regula a quantidade de luz que penetra o edifício. O MetroOffice a projetou com uma ligeira curvatura que a distancia progressivamente de um volume perfeito. A razão por trás dessa escolha é permitir maior sombreamento dos espaços interiores quando necessário e, ao mesmo tempo, expressar uma sensibilidade cuidadosa à forma das colinas circundantes. 

Segundo Fabio Barluzzi  responsável pelo projeto ao lado de Ponticelli, trabalhar com esse projeto possibilitou criar uma espécie de laboratório para a identidade da marca. “Também nos permitiu uma pesquisa mais aprofundada sobre design de locais de trabalho. Assim, descobrimos l novas soluções arquitetônicas que priorizam o homem e o ambiente natural”, finaliza.

Na vanguarda

Cada vez mais, plantas de produção são tratadas como laboratórios de desenvolvimento e insights criativos para grandes marcas. Não à toa, as instalações  da Celine em Radda in Chianti parecem confirmar a importância do mimetismo entre entorno e arquitetura para a contemplação durante o exercício das funções de cada setor produtivo. A vocação italiana para produzir no campo da moda parece se confirmar, inclusive, no que tange às unidades de produção. Juntamente com a Fendi (sua futura sede será em Bagno a Ripoli, Florença), Dior e Gucci ( em Scandicci, Florença) e Prada (em Lavanella, Arezzo), Celine confirma que a Toscana é um dos destinos preferidos para produção de produtos premium, também devido ao alto profissionalismo da mão de obra de artesãos locais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.