Evento acontecerá na inauguração da exposição LINHA DO TEMPO.

O Instituto Gustavo Rosa lança o livro GUSTAVO ROSA – A INVENÇÃO DO PARAÍSO, com noite de autógrafos e abertura da exposição LINHA DO TEMPO, no dia 5 de novembro, às 19h, na sede do Instituto, na rua Veneza, 920, Jardim Paulista.

O livro é a primeira publicação de arte do Instituto Gustavo Rosa, IGRA curadoria é de Jacob Klintowitz, um dos mais respeitados e importantes críticos de arte do país. Em seu ensaio, a trajetória vivida pelo artista nos quase 50 anos em que transformou telas e outros suportes em poesia pictórica, trazendo à luz um lúdico universo artístico repleto de cor, alegria e alto astral. “O que se pode dizer com clareza é que Gustavo Rosa tinha extraordinária capacidade de síntese formal, o que o aproximava de artistas como Paul Cézanne, Paul Klee, Constantin Brancusi, Pablo Picassoe, no Brasil, de Alfredo Volpi, Tarsila do Amaral, Milton Dacosta, Di Cavalcanti. E certamente Botero tornou-se para Gustavo uma Referência”, fala Klintowitz sobre a obra do artista.

Em GUSTAVO ROSA – A INVENÇÃO DO PARAÍSO 80% das obras são inéditas e fazem parte do acervo de colecionadores, que desde já estão convidados a levarem suas obras ao IGR para a certificação, sem nenhum custo.  O pintor falava em uma produção de  quase 5 mil obras que traduzem sua paixão pela figura humana tornando os meninos empinando pipas, o sorveteiro, os palhaços, o padre, a freira, o vendedor de hot dogs e tantos outros, personagens que eram o espelho da sociedade vibrante do pós-guerra.

Destas 5 mil obras, 1.131 já foram catalogadas pelo IGR, entre janeiro de 2014 e junho de 2019, com certificado de autenticidade em papel filigranado com mais  de 8 itens de segurança, incluindo selo holográfico void e até mesmo a imagem de seu verso, mostrando a excelência do trabalho. Este lançamento também pavimenta a futura publicação do Catálogo Raisonné de Gustavo Rosa (documentação qualificada de todos os trabalhos).

Na mesma data será inaugurada a exposição LINHA DO TEMPO, com a trajetória do artista.  Gustavo Rosa nasceu em 1946, em São Paulo, e com 18 anos participou de uma coletiva que lhe rendeu o elogio do pintor Di Cavalcanti: “este rapaz tem um traço muito bom”. A partir daí Gustavo estabeleceu com ele uma afeição, no início respeitosa, que se transformou com o passar dos anos em amizade verdadeira até a morte do precursor do modernismo no Brasil.

Nesta exposição,  público e crítica terão a oportunidade de entrar em contato com a pouco conhecida produção de Gustavo Rosa entre os anos 60, 70 e 80. Estão na LINHA DO TEMPO as principais exposições em que Gustavo Rosa participou, críticas da época além de algumas premiações. Entre eles  o prêmio principal outorgado por Walter Zanini e Pietro Maria Bardi, em 1969, no 1º Festival das Artes Interclubes de São Paulo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.