Construção

Empresa projeta economia de até 20% por uso da metodologia BIM em obras

Antevendo movimento do setor, empresa adota soluções tecnológicas da Autodesk e conquista diferencial competitivo em licitações de obras de infraestrutura de transportes.

A Planservi Engenharia há alguns anos identificou a necessidade de capacitar seus profissionais para desenvolver, controlar e entregar projetos e obras com base na metodologia BIM (Building Information Modeling). Walter Luis Guimarães Nieyama, coordenador de Tecnologia da Informação da Planservi, conta que, em 2014, a exemplo do que já vinha acontecendo no setor da construção, o mercado de infraestrutura também começou a buscar projetos baseados em BIM. “A empresa enxergou, por meio de seu diretor técnico, engenheiro Carlos Yukio Suzuki, uma oportunidade de se diferenciar dos concorrentes”, afirma.

Em paralelo, conta o coordenador, a companhia percebeu a convergência do mercado no sentido de ter produtos entregues em software Autodesk. “Utilizar BIM em Autodesk antes dos demais players do setor foi uma estratégia de negócio para a Planservi”, diz. A estratégia teve total apoio da diretoria técnica, dos times de gestão de contratos e de especialistas da Planservi, o que facilitou a sua implementação, de acordo com Nieyama.

Para isso, formou-se um time multidisciplinar de estudos para entender a melhor maneira de adotar o BIM nos projetos da empresa. Rapidamente a companhia estava pronta para as modelagens baseadas na metodologia de informação. “Faltava integrar uma ferramenta para a gestão das modelagens, documentos e informações dos projetos”, explica o coordenador de TI.

A Planservi optou pela suíte Autodesk AEC. Além das funcionalidades das ferramentas Autodesk, diz Nieyama, a suíte conta com plugin que facilita a exportação de todas as informações e propriedades geradas em outro software para o Revit, permitindo que a entrega do projeto seja realizada em tecnologia Autodesk. “As especificidades de estrutura ainda são estabelecidas em diferentes softwares, mas muitas licitações já começam a exigir entregas em Autodesk como padrão”, revela o coordenador.

Projeto de referência

O caso de exemplo refere-se a uma recente concorrência vencida pela Planservi para a entrega de uma obra viária contratada por uma grande concessionária. “A exigência era que o projeto fosse entregue tanto na metodologia BIM, quanto na forma tradicional. Foi um projeto híbrido, mas que contribuiu para que a Planservi começasse a ser vista como referência em BIM no setor de infraestrutura viária”, celebra.

Nieyama revela que por meio das ferramentas de gestão da Autodesk foi possível identificar conflitos entre as disciplinas de geometria, drenagem, geotecnia, estruturas e iluminação que não eram facilmente detectáveis no projeto tradicional. “Conseguimos corrigir o projeto em função dos estudos com BIM e da nossa capacidade de gestão de informações”, avalia o especialista.

Segundo ele, de maneira geral, a Planservi projeta economia inicial média de 15% a 20% no valor de uma obra que inicie, avance e seja entregue com base em BIM.

Preparada para crescer

Na avaliação de Nieyama, a metodologia BIM está estabelecida no mercado de infraestrutura. “Metrô, CPTM, mercado de rodovias e de trilhos já pedem BIM”, afirma. “A Planservi percebeu esse movimento antes e se preparou”, garante. Ele conta que a empresa já atua em outros três projetos que requisitam a metodologia e, para isso, conta com 20 usuários de Autodesk direcionados a BIM. “Mas todos os profissionais em cada especialidade já utilizam de alguma forma os softwares Autodesk para suportar o desenvolvimento, somando outros 60 usuários”, finaliza.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.