A convite da Tesis — Tecnologia e Qualidade de Sistemas de Engenharia, da Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio (AFEAL) e da Associação Brasileira de Alumínio (ABAL), Téchne acompanhou os testes de desempenho de caixilhos de alumínio em São Paulo. Texto por Aline Barbosa

Muitos produtos colocados à disposição dos consumidores brasileiros não cumprem adequadamente suas finalidades, comprometendo seu desempenho e durabilidade. A baixa qualidade destes produtos prejudica, segundo Vera Hachich, diretora da Tesis, “a isonomia competitiva entre os fabricantes, desestabilizando o mercado, os consumidores, que não têm suas expectativas atendidas em relação ao desempenho e à durabilidade dos produtos, e as obras de engenharia, pois as mesas são bens duráveis”.  Hachich conduziu uma visita aos laboratórios de teste onde o desempenho de caixilhos de alumínio foi testado.

Segundo a engenheira, diversos setores produtores de componentes e sistemas para a construção civil vêm conseguindo resolver os problemas por meio de Programas Setoriais de Qualidade, PSQs. “Estes programas objetivam garantir que os usuários terão à sua disposição somente produtos com desempenho compatível às suas expectativas e contribuir para a isonomia competitiva entre os fabricantes”, explica. Para que estes objetivos sejam atendidos, é necessário, segundo a equipe da Tesis, que sejam implementadas ações visando a normalização técnica dos componentes, com a especificação de requisitos mínimos, a avaliação da conformidade dos produtos utilizados em todo o país e o combate à não conformidade. O laboratório é creditado pelo Inmetro para a realização de 322 tipos de ensaios.

O Programa Setorial de Qualidade – PSQ

O Programa Setorial de Qualidade, PSQ, está alinhado ao planejamento estratégico da Afeal como principal ponto da valorização do fabricante de esquadrias de alumínio. Em 2018, a associação lançou as Fichas de Avaliação de Desempenho, FADs, que foram validadas e divulgadas no catálogo do Ministério de Cidades. O relatório publicado avaliou empresas fabricantes com sistemas próprios, além de 12 empresas multissistemas (atreladas), ou seja, aquelas que são avaliadas obra a obra, desde que as esquadrias sejam produzidas a partir de sistemas homologados pelo programa. Essa ferramenta permite a divulgação dos sistemas homologados para ajudar na especificação das construtoras, desde o início do projeto, para o atendimento à norma de desempenho NBR 15.575. Segundo o Resumo Executivo 2017-2018 publicado pela Afeal, “a lista contendo novos sistemas homologados pelo PSQ de Portas e Janelas de Correr reafirma que a utilização de sistemas homologados é fundamental para a participação ou o atrelamento dos fabricantes de esquadrias ao PSQ, seja como participante ou como fabricante multissistema”. O documento informa ainda que, durante este processo, foram avaliadas a resistência mecânica e o tratamento de superfície dos perfis, a vida útil de projeto dos componentes, além do desempenho potencial dos sistemas de perfil. O PSQ de Portas e Janelas de Correr de Alumínio foi implementado em novembro de 2017 por meio da ação conjunta da Afeal e da Abal, com gestão técnica da Tesis. 

Produtos avaliados pelo programa

O setor de esquadrias abrange diferentes tipologias de portas e janelas conforme a norma ABNT NBR 10821-1:2017 (Esquadrias para edificações). Os produtos-alvo da análise do PSQ deste recorte foram janelas de correr de alumínio para dormitórios e salas com duas, três folhas de vidro (1200 x1500 mm) e vidro na menor espessura de comercialização, além de produtos das mesmas dimensões, com persiana integrada. A qualidade das janelas é verificada “por meio da avaliação de amostras coletadas em auditorias periódicas e inadvertidas nas unidades fabris das empresas, adquiridas em revendas de materiais de construção, coletadas em canteiros de obra, ou coletadas em qualquer outro local passível de se obter o produto pronto para consumo”, explica Hachich. As amostras são submetidas a ensaios laboratoriais para verificação do atendimento da esquadria, perfis, acessórios e componentes aos requisitos especificados na norma técnica aplicável NBR 10821/2017. “A classificação da empresa fabricante de esquadrias participante do PSQ como qualificada ocorre mediante o atendimento dos produtos-alvo a todos os requisitos definidos da norma, aferidos pelo laboratório”, completa a engenheira.

Problemas ocasionados pela baixa qualidade de esquadrias

“O resultado final de uma esquadria de alumínio segue um processo complexo, de estudos, sistemas, projetos, ensaios e escolhas de componentes e perfis”. É o que garante Antonio Antunes, presidente da Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio.  “A janela pode ser discutida sob diversos pontos de vista”, explica Hachich. Para o usuário, traz luz natural, ar fresco e uma vista do exterior. Para o arquiteto e projetista, a janela corta a fachada, interrompe sistemas de divisórias ou tetos e requer detalhamento especial de suas interfaces com esses sistemas. “Para o construtor, a janela é um local onde vários materiais e componentes devem funcionar conjuntamente. Para o engenheiro de segurança ao fogo, a janela pode ser uma saída no caso de incêndio, uma trajetoria para a propagação de chamas ou uma fonte de oxigênio para o fogo”, explica. Segundo a norma NBR 15575, “Edificações habitacionais — desempenho”, a janela tem como funções fundamentais “ventilação, iluminação, conforto acústico e conforto térmico”.  Mas para que este elemento cumpra com estas funções, deve, necessariamente, atender às exigências de segurança, habitabilidade, durabilidade e estanqueidade. Infiltrações, vazamentos e escorrimentos de água na parte interior da edificação são resultantes, geralmente, de problemas relacionados à qualidade do caixilho. “Estes problemas podem ser gerados pela utilização de produtos em não conformidade, e têm como maior prejudicado o usuário final”, explica Fernando Rosa, gerente geral da Afeal.  

Testes realizados durante o Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio

Manifestações patológicas em portas e janelas de correr de alumínio: atuação do PSQ

As portas e janelas de correr de alumínio que não atendem às exigências normativas poderão apresentar manifestações patológicas conforme mostrado na tabela a seguir. Para evitar tais problemas, o PSQ atua na avaliação da janela e de seus componentes produzidos pelas empresas participantes. FONTE: texto de referência do Programa Setorial da Qualidade de Portas As portas e janelas de correr de alumínio que não atendem às exigências normativas poderão apresentar manifestações patológicas conforme mostrado na tabela a seguir. Para evitar tais problemas, o PSQ atua na avaliação da janela e de seus componentes produzidos pelas empresas participantes.FONTE: texto de referência do Programa Setorial da Qualidade de Portas e Janelas de Correr de Alumínio, maio de 2019, tesis – Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia.e Janelas de Correr de Alumínio, maio de 2019, tesis – Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia.

Manual de operação, manutenção e limpeza de esquadrias de alumínio, guarda-corpos e fachadas — Afeal

A versão atualizada do documento está disponível para download para os associados da Afeal. O objetivo do manual é estabelecer uma relação didática entre o fabricante e o proprietário do imóvel ou usuário, para que este possa cumprir as operações de limpeza, manutenção e inspeção técnica, além de oferecer esclarecimentos sobre o desempenho e o tempo de vida útil dos componentes, materiais e sistemas construtivos especificados em projeto. O manual indica os prazos de inspeção técnica e o período máximo para substituição de cada componente da esquadria. 

Matéria originalmente publicada na revista Téchne.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.