Escolhas certas endossam reformas harmônicas e sob medida para o ambiente. Projeto: Isabella Nalon

Antes de começar uma reforma ou até mesmo repensar a arquitetura de interiores, é preciso tomar algumas precauções para fugir de erros e assegurar que projeto não apresentará equívocos em decorrência de escolhas mal realizadas para a sua execução.

Afinal, quem sonhou com o décor de um ambiente, investiu tempo e dinheiro não quer passar por frustrações depois de tudo pronto. O êxito vai muito além da força de vontade. “Um projeto bem conduzido expõe um olhar apurado e harmônico, buscando materiais e peças que não destoem e, sobretudo, que se excedam no contexto geral”, explica a arquiteta Isabella Nalon, do escritório que leva seu nome. Com sua experiência na realização de projetos de interiores, ela relaciona as falhas que devem ser observadas.

Sem dúvidas, o primeiro erro, também chamado de sem volta, é começar uma reforma sem um projeto definido. “É sair de carro, acessar uma rodovia e não ter um destino”, relaciona Isabella. Antes do impulso de sair quebrando e tirando tudo do lugar, o projeto é fase onde o pensar é primordial. “Por que mudar? Quais as expectativas depois de pronto? Qual o estilo decorativo que mais combina com o proprietário? Essas são perguntas que devem iniciar o processo”, relativiza a arquiteta. Essas reflexões serão a base para determinar desde o layout, infraestrutura, acabamentos e as demais etapas da decoração.

Nesse apartamento, Isabella Nalon recebeu as referências apontadas pelo morador: ter um espaço integrado entre seu escritório e o amplo acervo de livros que coleciona. Dessa forma, a execução da marcenaria em todo perímetro deu lugar às estantes que acomodaram os mais de dois mil exemplares de seu acervo pessoal. A disposição de objetos de viagem e peças de herança, combinados com tons claros, destacam um décor equilibrado e harmônico. Foto: Julia Herman

A ausência de um projeto culmina em outro efeito negativo para a reforma: a compra de móveis e eletrodomésticos nas medidas erradas. Sem a devidas proporções, o visual registrará espaços desiguais, com peças maiores ou menores demais. Nesse panorama, entra também a precaução com o lado financeiro, haja vista pagar mais caro, sem pensar, não implica em ter o melhor em casa. “Por isso, nada de comprar por impulso para não incorrermos na expressão ter um elefante branco na sala e lidar com um orçamento comprometido para o restante do projeto”, explica a arquiteta.

Uma terceira gafe que acontece com frequência é a especificação de materiais que, em função de suas características, não devem compor determinado cômodo. Uma situação bastante comum é a escolha incorreta dos revestimentos, que em muitos casos apresentam indicações particulares para a sua utilização. “Pelas características técnicas, alguns revestimentos de paredes não podem ser aplicados no chão, por exemplo. Se utilizado com finalidade errada, certamente, mais adiante, o proprietário precisará empreender uma nova reforma”, relaciona Isabella. Ainda no aspecto revestimento, um porcelanato polido em áreas molhadas ou externas pode ocasionar acidentes em função de quedas. “O antiderrapante é a solução mais adequada”, contemporiza. No capítulo escolhas erradas cabem ainda elementos como a pedra de uma bancada, que pode manchar de acordo com o uso, acabamento do mobiliário e a escolha das tintas e papel de parede.


Embora cercada pelo fechamento de vidro, a varanda recebeu um porcelanato adequado para a área externa. Foto: Julia Herman

Esses desacertos são mais comuns do que pensa e a única forma de corrigir é através da substituição, ocasionando um novo processo de reforma. E, nesse quesito, soma-se também o cuidado com escolha da mão de obra. Um revestimento mal instalado, assim como um forro mal fixado podem provocar uma grande dor de cabeça.

Além da iluminação da cozinha, a mesa para refeições rápidas ganhou dois pendentes que trazem bem-estar aos moradores. Foto: Julia Herman

Também é preciso se atentar à iluminação para que os ambientes sejam providos de acordo com a demanda. Em linhas gerais, o projeto luminotécnico deve direcionar o nível de luz adequado aos propósitos e às tarefas que ali serão realizadas, como também considerar a temperatura certa das lâmpadas. “Ponderamos uma série de prerrogativas para cada cômodo antes de determinar onde os pontos serão instalados e definir entre um lustre, luminária ou pendente, por exemplo”, finaliza Isabella.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.